11/03/2009

Transformação do ser

Tocou no espelho sem reconhecer aquela pessoa que a fitava. Uma nuvem de vapor enchia o quarto-de-banho, enquanto que ela... nua... deixava-se ficar em frente ao espelho que apenas lhe mostrava uma imagem de alguém que não desejava ser.

Um arrepio de frio subiu-lhe pelas costas. Não foi a mais agradável das experiências: a auto-avaliação pode ser cruel.

Olhava para o espelho e continuava sem reconhecer aquele rosto amargo que insistia em fitá-la. A ela, sempre tão alegre. Aqueles olhar triste queimava-a, dilacerava-a por dentro, como se mil facas a esquartejassem, porque sabia que não era assim: amargurada. Sorriu para o espelho, que não lhe retribuiu a simpatia. Era preciso mais, muito mais para que o espelho lhe mostrasse outra imagem.

Era os olhos que precisava mudar. O sorriso, esse apenas transmite os recados da alma. Precisava de mudar. Mudar por dentro, para mudar por fora.

1 comentário:

Maldonado disse...

Para mudar é preciso aceitar-se as limitações da condição humana...