24/09/2008

Sabem como é?

Uma mulher apaixona-se. Corre mal. Chora. E tudo passa com o tempo. Promete que para a próxima não se entrega.

Conhece uma pessoa.

Pode apaixonar-se, ou não, mas por norma, apaixona-se. Corre mal. Chora, grita a plenos pulmões e odeia-se durante uns tempos. E tudo volta a passar. Repreende-se e obriga-se a não voltar a amar tão rápido.

O tempo passa. Conhece uma pessoa. Aproxima-se a medo. Receia voltar a magoar-se. Não diz tudo o que sente, porque não quer afastar essa pessoa. Porque não quer assustar essa pessoa. Porque quer que as coisas corram bem (para variar) com essa pessoa. 

O tempo passa. Entre avanços e recuos, alguém lhe diz "Estás apaixonada!". E depois batem as saudades do cheiro, do riso, do beijo, da mão na mão, da cor dos olhos, do cabelo, do tom de voz...

Uma mulher apaixona-se. E depois... depois, logo se vê!

7 comentários:

NI disse...

Sei como é....muito bem.

:-)
Beijos

Cristina disse...

Ni, não sei se é muito bem, se é muito mal... ainda estou a tentar perceber :)

Beijo

Francisco disse...

O tempo passa... esse tempo que cura quase tudo mas não faz desaparecer a ilusão de que da próxima será diferente.

NI disse...

Umas vezes será bom, outras vezes....não.

As desilusões fazem parte da vida.

Uma coisa é certa: quanto mais nos entregámos à vida, mais propensas ficamos às desilusões. Mas, não é menos verdade, que só assim damos verdadeiro valor a tudo de bom que nos aconteça mesmo que seja extemporâneo e/ou efémero.

E, por muito que nos custe, a verdade é que a toda uma ilusão seguir-se-à uma desilusão. Mas, é deste modo que nos renovámos, que crescemos.

O importante é não nos fecharmos à vida.

Escreve isto uma pessoa que tem tantas desilusões quantas ilusões mas que teima em não ficar presa ao passado. Que se levanta e prossegue o caminho.

:-)

Beijos

Cristina disse...

Francisco, no fundo, julgo que temos sempre essa ilusão. E por mais que nos esforcemos, na maior parte das vezes, não a conseguimos contrariar.

Ni, percebo o que queres dizer. Ainda hoje, tive uma conversa semelhante com a Djinn. Avançamos, sim, com os olhos postos no futuro, mesmo que (às vezes) o passado tenha uma palavra, por pequena que seja, a dizer.

Beijos

O pensador disse...

Cristina, mas feliz ou infelizmente...terás sempre que correr esse risco...

:-)

Djinn disse...

E esse risco merece a pena...:)